Carregando...

Melhor Plano

Starlink Internet

Starlink é o mais novo projeto de Elon Musk, empresário que já inovou as indústrias de automóveis e a aeroespacial, com as empresas Tesla e SpaceX.

Agora, ele está empenhado no projeto Starlink, no mercado de telecomunicações, uma iniciativa ousada para disponibilizar internet via satélite.

Veja a seguir como a Starlink funciona, em quais locais está disponível e quanto vai custar.

Starlink é um projeto de telecomunicações da SpaceX. Idealizado em 2015, o objetivo é oferecer acesso à internet com velocidade de conexão e cobertura global por meio de satélites.

A meta é disponibilizar serviços de internet especialmente em regiões mais afastadas, que, atualmente, têm dificuldade para se conectar. Por isso, a Starlink pode ser competitiva para as operadoras de internet rural.

O diferencial do Starlink para outras empresas que oferecem internet via satélite é que o projeto de Elon Musk é ter satélites suficientes para atender o mundo inteiro!

A ideia inicial é formar uma espécie de constelação com pelo menos 12 mil unidades de satélites Starlink sobrevoando a órbita terrestre.

Com autorização da Comissão Federal em Comunicação dos Estados Unidos (FCC) para começar as operações em 2018, o projeto já colocou os primeiros satélites em órbita em 2019.

Está procurando um plano de internet?

Compare planos de internet banda larga de outras operadoras e economize!

Ver Planos

Atualmente, serviços que dependem de satélites, como a internet de banda larga, TVs por assinatura ou mesmo o GPS, têm conexão de dados bastante limitada. Tanto que muitas operadoras já estão investindo em soluções de fibra óptica para melhorar a entrega.

No Starlink, a transmissão de dados ocorrerá via laser, com informações sendo transmitidas na velocidade da luz.

  • Cada satélite Starlink trabalha em conjunto com mais quatro unidades ao seu redor. O objetivo é deixar a conexão mais estável e confiável.
  • O satélite tem quatro antenas, que trabalham de forma combinada, transmitindo o sinal com mais agilidade.

O projeto Starlink já conta com 10 mil clientes, mas a SpaceX quer alcançar a marca de 5 milhões de clientes!

Até 2021, mais de 4 mil satélites devem estar em órbita, já que, por enquanto, são lançadas 60 unidades por vez, a bordo do foguete Falcon 9. Mas a empresa já estuda formas de aumentar essa quantidade e expandir mais rapidamente a rede.

Quantos satélites Starlink ficarão em órbita?

Cerca de 12 mil satélites devem ser enviados para a órbita terrestre nos primeiros anos do projeto Starlink, mas esse número pode chegar até 42 mil.

Os primeiros mil satélites enviados estão a uma altitude de 550 quilômetros e a previsão é alocar os próximos em alturas diferentes.

Além da altitude atual, a empresa vai trabalhar com satélites a 384 quilômetros e a 1.200 quilômetros de distância da Terra.

A conexão Starlink deve oferecer até 1 GB de velocidade por segundo nos downloads. Entretanto, esse número vai depender muito de fatores como a quantidade de satélites orbitando, o número de clientes utilizando cada antena e até a qualidade do receptor.

A latência do Starlink deve ser de 31 milissegundos (ms) ou menos, o que significa uma velocidade ainda maior.

Para entender melhor: latência é o tempo que a solicitação leva para ser transferida de um ponto ao outro, o que impacta todas as operações que realizamos na internet.

Está pagando caro no seu plano de internet? Aproveite para comparar preços em outras operadoras!

Para acessar a internet Starlink, o usuário precisará de terminais específicos para esse fim. De acordo com a SpaceX, eles devem ser do tamanho de uma caixa de pizza e serão instalados em ambientes externos.

De qualquer forma, ao contratar o serviço, o usuário também deve adquirir um kit com o terminal e um roteador para garantir o pleno funcionamento de todos os dispositivos que tiver em casa.

O projeto ainda está em fase inicial e por isso a cobertura é limitada. As primeiras operações estarão disponíveis nos Estados Unidos e no Canadá, áreas que já contam com satélites.

Mas a marca já anunciou que o Starlink também foi aprovado no Reino Unido e está em trâmite na Austrália, na Alemanha e na Grécia.

A Starlink Brasil ainda não é uma realidade. Mas a empresa anunciou que, ainda em 2021, a internet via satélite será disponibilizada para os brasileiros.

Quem estiver interessado, pode acessar o site do projeto Starlink, informar o endereço e pagar uma taxa de US$ 99 para concluir o pré-cadastro. Esse valor será reembolsado, mas é uma forma de garantir o cadastro de pessoas realmente interessadas no serviço.

Entretanto, apesar da cobrança já estar sendo feita, ainda há alguns obstáculos para que o serviço seja, de fato, disponibilizado no país.

Em primeiro lugar, o projeto Starlink precisa de uma autorização da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e, em segundo, a regularização da cobrança, já que a taxa de pré-cadastro não está de acordo com as normas de prestação de serviços no Brasil.

Precisando de uma internet mais estável?

Compare planos de internet fibra óptica de outras operadoras na sua região.

Ver Planos

Com exceção do pré-cadastro de U$99 (R$554,00), por enquanto, o projeto Starlink ainda não teve valores oficiais de mensalidade divulgados pela SpaceX.

Entretanto, especula-se que deverá ser em torno de US$80 por mês, cerca de R$447,00.

Outro valor que o usuário precisa pagar são os US$499 (R$2794,00) pela instalação do receptor com roteador.

Uma curiosidade interessante sobre o Starlink é que os satélites podem ser vistos a olho nu. Nos primeiros dias após o lançamento, eles ficam orbitando em altitude baixa e podem ser vistos como um cordão de estrelas.

Os melhores horários para vê-los são ao pôr-do-sol ou quando está amanhecendo. E se você está curioso para ver, basta usar os aplicativos Heavens Above (para aparelhos Android) ou Sky Live (iOS) e descobrir em quais regiões os satélites vão passar.

Enquanto o Starlink não funciona por aqui, entenda como funciona e quais operadoras disponibilizam internet via satélite no Brasil.

Conteúdo atualizado em

Talia Lage

Por Talia Lage

Analista de Marketing de Conteúdo e SEO