Compare planos de celular

Telefonia e controle financeiro: como diminuir os gastos e investir no futuro

Post produzido em parceria com o site Meu Dinheiro Web a partir do relato pessoal de Jean Sampaio

Olá, meu nome é Jean Sampaio e faço parte da equipe do controle financeiro Meu Dinheiro Web. O artigo de hoje é um depoimento pessoal, um relato real de como consegui diminuir meus gastos com telefonia, controlar melhor minhas finanças e começar a investir algum dinheiro pensando no meu futuro.

Confesso que só comecei a controlar meu dinheiro com mais “maestria” quando entrei para o Meu Dinheiro, cerca de um ano atrás. Antigamente, utilizava de papel e caneta para anotar tudo que eu tinha que pagar.

A realidade da maioria dos brasileiros, que também era a minha, é de “quanto eu tenho para pagar” e não de “quanto vai sobrar para poupar” no mês, quem dirá pensar em investir dinheiro, que já é um passo que até então nem passava por minha cabeça. Segundo a ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados e de Capitais) mais da metade dos brasileiros não tem nenhum investimento e a maioria esmagadora dos que investem só conhecem uma modalidade de investimento: poupança.

A seguir, conto como eu mudei isso na minha vida.

Primeiros passos: Como diminui meus gastos e investi mais no futuro

Passo 1 – Identificar gastos desnecessários

A primeira pergunta que eu me fiz foi:

Por qual ralo o meu dinheiro está descendo?

Encontrar por qual torneira jorrava meu salário, sem registro algum, era bem complicado. Para colocar minha vida financeira em dia eu teria que descobrir quais torneiras eu fecharia primeiro.

Comecei pelo básico, além de registrar quanto eu tinha para pagar, acrescentei os registros de todas as receitas e, PRINCIPALMENTE, todas as despesas.

Aí ficou mais fácil, com tudo mais “visual” e com os números somados na tela, logo descobri que gastava cerca de um terço do meu salário em lanches, comidas e outros derivados de “comida de rua”. Era a principal torneira, sem registro, aberta nas minhas finanças.

Passo 2 – Identificar Custos Fixos que possam ser reduzidos

Após os cortes na categoria “comidas de rua”, o próximo passo era analisar o meu custo fixo, que depois de olhar bem, algumas coisas não eram tão fixas assim.

Vamos aos vilões do mês: Netflix, spotify, custos de telefonia móvel, custos de água, luz, internet e transporte.

Quem não quer chegar em casa e assistir aquele filminho/série, ter aqueles 10gb de internet no telefone ou andar sempre de carro? Pois é. Somando todos os fixos + as “comidas de rua” dava praticamente o meu salário todo.  “Jean, e as compras do supermercado?” As compras iam para o cartão de crédito, minha sorte que o limite era baixo.

Alguns custos fixos que citei não tem como cortar de vez, só diminuir o consumo, como luz, água e telefone móvel. Vou pular a categoria banda larga (internet), porque preciso de uma internet muito boa para desempenhar minha função, já que trabalho de casa.

A recomendação de economia aqui é ser consciente com o planeta. Parece aquele papo chato daquelas propagandas de consumo de água consciente, né? Mas não é propaganda enganosa, funciona mesmo.

Telefonia móvel

Sobre telefonia móvel vale um parágrafo à parte.

A minha vida toda, sem exageros, usei a operadora com maior cobertura do estado onde moro, Espírito Santo, comecei no plano pré e logo depois mudei para o famoso plano controle. No plano controle o valor inicial era de R$25,00, 1 ano depois já estava R$40,00 e a internet móvel sempre acabava antes do mês terminar. A consequência era a compra daqueles pacotes diários de internet para completar o mês.

Resolvi trocar de operadora, encontrei uma que oferecia um plano de R$15,00 Pré-pago com MUITO mais vantagem que eu tinha na anterior. Era uma economia mensal certa de pelo menos R$25 reais, multiplicando por 12 meses que acabei de completar, eu consegui R$300,00 reais de economia só trocando de operadora.

R$300,00 economizados em um plano de R$40,00. Imagino que muitas pessoas tem gastos bem maiores que isto. Se você fizer um comparativo com as opções disponíveis no mercado, aposto que é possível economizar muito mais que os R$300,00 que eu consegui, pesquise e descubra qual o melhor plano para você.

Planos de assinaturas

Eu precisava cortar os custos fixos, então, novamente fiz uma pergunta pra mim. O que é prioridade para mim, escutar música ou ver filmes/séries?

Minha resposta foi escutar músicas, tenho o hábito de correr escutando música, portanto era mais vantajoso manter o Spotify. Confesso que o valor também era mais em conta e pesou na decisão. Há uns 2 meses atrás eu voltei a assinar um plano da Netflix, mas com os gastos controlados esse custo mensal cabe no meu orçamento.

Último passo da saga

Controlando melhor minhas finanças, após um ano, já consigo poupar um pouco todo mês e ainda investir uma certa quantia em títulos públicos. Essa foi a forma mais simples que encontrei de acumular capital, afinal rende mais que a poupança e eu posso sacar quando precisar.

Tem parcelas de títulos públicos que custam a partir de R$30 reais. Lembra dos R$25,00 mensais que economizei com meus gastos de telefonia? Com mais R$5,00 economizados com compra de pacotes adicionais de internet móvel já teria começado a investir algum dinheiro pensando no meu futuro.

Para chegar até este ponto foram necessárias pequenas mudanças de comportamento, além de criar o hábito de alimentar meu controle financeiro com as minhas receitas e despesas. São dicas bem simples e um pouco do que eu fiz para melhorar meu financeiro. Tem funcionado! 🙂

E aí, o que achou do relato do Jean? Que tal conferir se você também consegue economizar trocando de plano? Acesse o nosso comparador e compare ofertas de banda larga, telefone celular, TV por assinatura e combos!